quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Luz dos Olhos Teus

Alguns até podem achar sacanagem me inspirar em um nome de perfume (De O Boticário) mas não há algo que possa servir de melhor comparação.
Outros podem acreditar que eu estou com algum transtorno psicológico por postar um texto tão bel ao som de Metallica.
Mas, convenhamos: o que vale é a alma do projeto; a inspiração da obra; o recheio da Trakinas ;)

Cheeega de lero lero e vamos ao texto, que foi, inclusive, escrito em homenagem a uma garota que conheci recentemente, semanas após terminar a crônica. Vamos a ela:



Luz dos Olhos Teus

Pela primeira vez uma crônica começa com um título criado antes do texto. Dessa vez, digo, é por um motivo especial. Foi num sábado, mas não apenas neste último sábado. De outros anteriores eu já vivenciara esta situação. Nunca antes, no entanto, de maneira tão intensa. Meus olhos em brasa já haviam percorrido a pele clara, os cabelos em ondas suaves, as curvas perfeitas e até experimentado o tom róseo dos lábios e o suave dos olhos. Ah, aqueles olhos. De quem seriam os misteriosos olhos que encontraram os meus naqueles poucos segundos no corredor da faculdade, que me desorientaram por tantas horas mais até que eu pudesse me concentrar em alguma coisa que não fosse... aqueles olhos!

E agora, enquanto escrevo, em meu peito o ritmo volta a acelerar, lembrando dos olhos, dos lábios perfeitos, do rosto sereno. E o nome? Qual o nome de tão formosa senhorita que aparece de tempos em tempos diante da porta da sala de aula onde permaneço nos sábados? Eu não faço idéia. Nem nome, nem sobrenome. Pode ser qualquer um. E eu, em minha ignorância, chamo "vizinha" a moça da turma ao lado da minha. Ignorância inocente. Inocência ignorante. A curiosidade agora me instiga, justamente com o desejo, a querer saber mais. Quem é? O que faz? Por que me olhava daquela forma? O que espera de mim?

Que seja! Porque, como diria Djavan, te devoro. Te devoraria a qualquer preço....

pausa para viver

Tudo aconteceu há três dias. Em 72 horas conheci várias pessoas, fiz muitas coisas. Corri, cantei, toquei, joguei voley e futebol. Andei de skate, trabalhei... Nem mesmo o sono, depois de tudo isso, foi capaz de resolver. Não esqueço aquelas linhas em harmonia, daquele olhar que acertou em cheio seu único alvo. E eu nada pude fazer. Como um predador que nunca antes conhecera algo mais forte, agora me recolho em meus pensamentos. Não como fuga, mas sim como preparo. Tento me familiarizar com todos aqueles detalhes para que possa, quando chegada a hora, falar a coisa certa, da maneira certa, com o sorriso certo. Apenas dizer o que sinto a cada encontro com aqueles olhos.

Quem é você? De onde vem? O que faz aqui diante de meus olhos soturnos, que na escuridão de meus dias agora visualizam não mais que dois pontos luminosos, não no alto, junto às estrelas, mas pairando no horizonte, sobre as cinzas do mundo, num tom angelical, de fundo satânico, como o amor e a perdição, o pecado ao lado do paraíso, de luz e de trevas, entre um sonho e um pesadelo. na dúvida de quem é você e na certeza de que são a luz dos olhos teus...


Ahh, eu adorei ^^ Ficou bonito, não ficou? Ahuaehuh [modestia mode = OFF]
Próximo post, aguardem. Talvez seja uma outra crônica, ainda mais recente, mas não se assustem, pois estas são a porta de entrada para as demais. Logo veremos as mais antigas também, assim como outras novas.


Beijos a todos que me visitam.

Postar um comentário